Sunday, April 15, 2007

Os meus gatos e as crianças

Seriam os meus gatos felizes sem me verem? Seriam os meus gatos felizes se, em cada manhã, não tivessem colo e cuidados de higiene?
O que seriam os meus gatos se não falasse com eles, se não lhes ralhasse quando fazem maldades? Nem quero pensar...Contrairiam doenças, seriam agressivos e até perigosos. Deixavam de ser os meus gatos...
Então pergunto agora: serão felizes as crianças que não têm colo nem cuidados de higiene? Serão felizes as crianças se não se falar com elas, se não se corrigir o que, às vezes, fazem errado?
Para muitas crianças o conceito de felicidade é muito diferente do dos meus gatos que não são violentos porque não têm violência à sua volta, não roubam porque têm tudo o que precisam, são meigos porque sentem que são amados.
Por que razão me lembrei agora de Caetano Veloso e da canção Menino do Rio?
Porque razão guardo na memória tantas imagens do filme Central do Rio (protagonizado por Fernanda Montenegro e que, curiosamente, vi em Estocolmo)?
Por que razão guardo na memória tantas imagens televisivas de meninos, com armas na mão, a serem treinados para a guerra?
Parece-me que vivemos num mundo em que quase não há crianças porque todos falamos delas e poucos as queremos como eu quero os meus gatos. Com amor.

3 comments:

Lita said...
This comment has been removed by the author.
lito said...

Haverá ainda crianças neste mundo perdido?
Nos países onde há guerra elas são adultos pequenos.
Nos países ditos civilizados, elas são vítimas do consumismo, do facilitismo, do golpismo, do histerismo e do comodismo. Em suma: há tudo, só não há civismo.

Estrelinha said...

São frequentes as vezes em que os nossos meios de comunicação social, noticiam casos que adultos violentos que agridem mulheres, que matam, que planeiam e executam os mais terríveis crimes, pensamos nós em como o Ser Humano é capaz de tremendas barbaridades?! A par com estas notícias surgem também as que relatam histórias de crianças que são abusadas, exploradas e abandonadas, largadas em instituições em que apenas os mais fortes sobrevivem ( e Darwin já disse isto à tanto tempo...)! Estas notícias surgem em paralelo...Erradamente! Deveriam sim surgir na perpendicular, pois estes caminhos cruzam-se obrigatóriamente: as crianças maltratadas hoje serão os adultos abusadores do futuro (não é assim tão linear, mas infelizmente a Sociedade e todos nós não faz nada para que assim não seja).
Há muito tempo atrás uma menina que ainda nada sabia desta magnífica ciência dizia que queria ser psicóloga porque as pessoas quando são más têm sempre um motivo! Agora a profissão e a convivência com estas crianças dize,-me que aquela menina estava certa...É o desejo de ajudar estas crianças a suportar e a ultrapassar as marcas do passado, certezas do presente, que me faz ter a certeza de ter feito a escolha certa, mesmo quando as lágrimas ao fim do dia turvam o olhar da menina que queria ser psicóloga.